É muito importante mostrar resultados do trabalho incansável da área de pesquisas na busca de novos tratamento para o câncer de mama. A ciência é uma aliada fundamental e renova nossas esperanças em encontrar terapias menos invasivas, ou que se adaptem a diferentes perfis de pacientes.

Desta vez, as notícias vêm do Instituto Stanford de Biologia de Células-Tronco e Medicina Regenerativa. Lá, descobriram uma molécula que tem a capacidade de alimentar o crescimento das células do câncer de mama e, se bloqueada, oferece um caminho potencial para atacar o câncer de mama.

A molécula, batizada de LEFTY1 pelos pesquisadores, desempenha um papel benéfico na remodelação normal do tecido mamário que ocorre em resposta às mudanças nos ciclos hormonais. No entanto, também pode promover o crescimento descontrolado das células do câncer de mama. 

Resumindo de uma forma bem básica, uma função normal desta molécula foi “sequestrada” pelas células cancerosas para permitir que se replicassem sem controle. LEFTY1 inibe outras moléculas que transformam as células-tronco em células mais maduras. À medida que as células amadurecem, elas perdem a capacidade de se reproduzir. 

O grande impacto na pesquisa foi a descoberta de que que as células iniciadoras de tumor, às vezes chamadas de células-tronco cancerosas, são primorosamente dependentes dessa molécula. Os pesquisadores descobriram que, quando bloquearam o sinal de LEFTY1, as células iniciadoras de tumor em tecido de câncer de mama triplo negativo paravam de crescer.

Não é um estudo incrível? Todo o conhecimento a respeito de cânceres é poderoso para descobrimos formas de inibir, reduzir ou tratar definitivamente a doença. Seguirei acompanhando e prometo trazer novidades. 

Fonte: http://med.stanford.edu/stemcell.html